segunda-feira, 23 de fevereiro de 2015

Você sabe o que é Hanseníase

Prova realizada pela Corpus

Esta prova foi ontem, na cidade de Itu. E não vou ser repetitiva, afirmando que correr fora da Cidade de São Paulo é tudo de bom, que a prova foi hiper-organizada (tudo bem que a água estava lá no fim da prova), e que fizemos novos amigos, e também reencontramos velhos amigos.
Então vou colocar algumas fotos, e o principal deste post: UM RELATO SOBRE HANSENÍASE. Embora uma doença com estatísticas baixas, perto do que foi na década de 60, merece ainda atenção de órgão de saúde de da população. Não deixe de ler.

Tinha sanitários, e não eram químicos. 

Visão geral da corrida

Nossos novos amigos! Amei conhecê-los

Meus queridos amigos Nilza e João!  

Figuraça esse Carlos! Adorei te encontrar!

Uma corrida com 2 ou 3 descidas, mas com trocentas ladeiras. UFA! 

Mas eu cheguei tá?

Corrida Pequena de grande organização.
Além das medalhas e troféus,
os 3 primeiros colocados em cada faixa etária,
ganharam o valor de R$ 30,00, um mimo com o atleta. 


  Como prometido, falo sobre Pirapitinguí e a Hanseníase:
O Hospital Dr. Francisco Ribeiro Arantes, mais conhecido como Pirapitinguí, teve o seu auge na década de 1960 quando comportava aproximadamente 4 mil portadores de hanseníase ao mesmo tempo. Atualmente 261 pacientes vivem na área de 242 mil metros quadrados (equivalente a 24 campos de futebol) no bairro Cidade Nova, em Itu. Essa queda na quantidade de moradores do único estabelecimento de saúde asilar para hansenianos do Estado de São Paulo se deve ao fim da obrigatoriedade da internação compulsória e à evolução do tratamento da doença.

Entre os 261 pacientes, 184 vivem em residências com quarto, sala, cozinha e banheiro construídas na década de 1930 para abrigar os hansenianos dentro do Pirapitinguí. Os demais 74 são considerados doentes crônicos, mantidos nas enfermarias, e outros três estão em fase de avaliação médica para identificar o grau da doença. Segundo o diretor técnico, há 303 residências na área do hospital. Além das 184 usadas pelos pacientes, 67 estão abandonadas, 46 são utilizadas por familiares dos internos e seis são invadidas.

O hospital hoje mais parece um bairro de Itu. No local existe um centro de saúde para a comunidade construído pelo governo municipal, além de bares, mercearias e até igrejas de diversas religiões. As ruas são iluminadas, o sistema de coleta de resíduos funciona, mas o mato é visível em praticamente todos os quarteirões. Mesmo com essas características, a direção do Pirapitinguí mantém uma barreira na portaria para evitar a entrada imediata dos automóveis. O visitante precisa se identificar para conseguir entrar, seja para visitar familiares ou se consultar nos postos de saúde

O número de pacientes na instituição tem caído neste século, segundo pesquisas feitas no hospital pelo governo do Estado. Em 2000 havia 591 internos. A quantidade diminuiu para 340 em 2008, 302 em 2009 e 295 em 2010. Essa queda reflete a situação da doença em todo o país. De acordo com o Ministério da Saúde, o Brasil tem mantido a redução na incidência da hanseníase. Entre 2010 e 2011, o coeficiente de detecção de casos novos caiu 15%. Entre menores de 15 anos, este percentual baixou 11%. O governo Federal tem obtido avanço sustentado no combate à hanseníase.

A meta do Plano de Eliminação da Hanseníase, estabelecido em 2011, é que haja menos de um caso de hanseníase para cada grupo de 10 mil habitantes em um futuro bem próximo. Além disso, o Sistema Único de Saúde (SUS) trabalha para reduzir em 26,9% o coeficiente de detecção de casos novos em menores de 15 anos, aumentar o percentual de cura (90% dos casos novos) e examinar 80% dos contatos intradomiciliares dos casos novos de hanseníase.
Mas o que é a Lepra, comumente chamada no passado, a hanseníase?
A lepra é uma doença de pele, também chamada de Hanseníase, que afeta os nervos causando grandes danos. Ela é transmitida pelas secreções do indivíduo contaminado.
lepra tem cura através da ingestão de antibióticos e tratamento médico.
Lepra é contagiosa
A lepra é contagiosa, podendo ser transmitida de pessoa para pessoa através da saliva, sendo que é recomendado que o paciente leproso evite falar, beijar, tossir ou espirrar muito perto de outras pessoas, enquanto não iniciar tratamento. O indivíduo pode contaminar-se com a bactéria causadora da lepra e só manifestar sintomas muitos anos depois.
A lepra pode ser transmitida através do contato com macaco, tatu, percevejo ou mosquito contaminado.

Sintomas da lepra

O primeiro e principal sintomas da lepra é o aparecimento de manchas arredondadas, mais claras que a pele, que podem se espalhar pelo corpo. Algumas vezes podem tornar-se avermelhadas e insensíveis, pois o indivíduo deixa de sentir as diferenças de temperatura e de pressão, podendo causar acidentes sérios.

Tratamento para lepra


O tratamento da lepra é feito com a ingestão de 3 antibióticos.









Mudando de assunto, e voltando para o nosso assunto, no próximo dia 01 de março, temos a Meia Maratona Internacional de São Paulo. Adivinha quem vai? Eu e Jesus. Adivinha se vamos conseguir terminar a prova? Domingo eu conto.
BONS TREINOS E ÓTIMA SEMANA À TODOS! 

Um comentário: